Concurso Cultural

VI Prêmio Autoinforme de Estudantes de Jornalismo

A Autoinforme Comunicação, com o apoio institucional da Hyundai Brasil, convida você, estudante de jornalismo, para participar do VI Prêmio Autoinforme de Estudantes de Jornalismo, que vai premiar a melhor reportagem sobre “Energias Limpas para a Mobilidade”.

Serão três categorias de premiação:

Reportagem de texto

Reportagem de vídeo

Reportagem de rádio

 

Para participar, o estudante precisa produzir uma reportagem em um desses formatos, com o tema “Energias Limpas para a Mobilidade” e enviar para o email educacao@autoinforme.com.br. A reportagem será analisada e aprovada e então o estudante receberá uma resposta validando sua participação.

Os autores dos melhores trabalhos (texto, rádio e vídeo) receberão o troféu correspondente.

O autor do melhor trabalho entre todos receberá um Notebook. O segundo e o terceiro colocados de cada categoria receberão placa de homenagem.

Os doze classificados serão convidados a uma visita monitorada à fábrica da Hyundai em Piracicaba, sendo recebidos pela diretoria da montadora.

Um dos participantes do prêmio – classificado ou não – será convidado a fazer um estágio na Agência Autoinforme.

Orientação

Os estudantes poderão ter a orientação do jornalista Joel Leite e da equipe da Autoinforme para a produção da reportagem. Disponibilizamos também aos participantes nosso banco de dados, fontes e estúdio de gravação.

As faculdades interessadas poderão solicitar a apresentação do prêmio presencial e/ou palestra do jornalista Joel Leite.

 

Energias Limpas para a Mobilidade

Os primeiros meios de transporte do ser humano usavam energia limpa para funcionar: na caminhada, bastava a energia do corpo; para os trajetos mais longos, usavam carroças, impulsionadas por tração animal.

A revolução industrial, no século XIX levou os trens de carga a queimar combustível fóssil, como petróleo, que deu origem ao diesel e à gasolina, gás e carvão natural e iniciou-se a era dos veículos automotores: carros, motos, ônibus, caminhões e máquinas industriais e agrícolas. 

O problema é que os combustíveis fósseis são grandes emissores de gás carbônico (CO2), que é tóxico, polui o ar e contribui para o efeito estufa de aquecimento da terra. Uma pessoa que viaja 50 km por dia com um carro de 1000cc à gasolina, emite por mês 2,1 toneladas de CO2. No caso de um veículo a diesel, a emissão de CO2 é de 3,3 toneladas.

O petróleo é o principal responsável pela poluição atmosférica no mundo.

Daí que se acirra a proposta de eletrificação dos carros no mundo e na Europa e na Ásia a urgência é maior, onde as exigências ambientais são imperiosas e onde os motores a combustão não vão conseguir atender a legislação no próximo período.

O Brasil tem uma frota significativa, mas leva vantagem por ter o etanol, combustível a base de cana-de-açúcar, muito menos poluente. 

Apesar da vantagem do etanol, o Brasil não está parado. As montadoras estão investindo na modernização das fábricas para receber os carros elétricos nas linhas de montagem, como a Toyota fez com o novo Corolla híbrido flex, o primeiro eletrificado fabricado no Brasil.

Carro eletrificado é aquele que usa sistema de propulsão elétrica, seja parcialmente (o híbrido) ou total: 100% elétrico.

O híbrido tem um motor à combustão e uma bateria que recarrega com energia cinética das frenagens e desacelerações ou também pode ser alimentado diretamente da rede de energia (os chamados plug-in)

O elétrico puro tem apenas motor a bateria e é carregado na tomada de força.

Outra alternativa de energia limpa é o carro a célula a combustível: ele tem um motor elétrico com bateria alimentada pela conversão da energia química de um combustível, como o hidrogênio, em energia elétrica.

As bateria do carro elétrico é feita de lítio, um metal leve usado também na bateria de celular. O lítio tem maior capacidade de armazenamento de energia e permite o uso de baterias pequenas e leves, diferente da bateria de níquel (outro tipo de metal) que é grande e pesada.

A frota mundial de eletrificados é calculada hoje em 3,2 milhões de unidades, sendo 1,2 milhões na China, que tem portanto 37,5% da frota global. A Europa tem o segundo maior mercado com um milhão de unidades, enquanto o Japão tem a maior frota de carros híbridos.

A frota brasileira, de 45 milhões de carros, tem apenas 10mil elétricos e híbridos.

 

Mobilidade

A questão da mobilidade é um desafio à sociedade do Século XXI, com a crescente concentração urbana, especialmente nos países em desenvolvimento, no aumento da motorização individual e do transporte rodoviário de carga.

Em 2014, 87,5% dos brasileiros já viviam em cidades, e conforme estimativa da ONU serão 91% em 2050.

A mobilidade pelo transporte motorizado individual é insustentável e impacta em vários aspectos da vida do cidadão, tais como congestionamentos, poluição atmosférica e dificuldade de deslocamento, o que resulta em detrimento da qualidade de vida.

Com alcance para impactar todas essas áreas, a mobilidade sustentável pode ser caracterizada como uma política urbana, econômica e socioambiental.

É uma forma de planejar de forma integrada a vida do cidadão, integrando a mobilidade às demais necessidades do homem: cidadania, saúde, emprego, moradia e buscando opções em novas formas de mobilidade e de fontes de energia, como as energias limpas ou as que provoquem menor impacto ao meio ambiente.